Notícias

Sexta-feira, 29 de Maio de 2015

Bradesco terá que indenizar cliente vítima de ‘saidinha de banco’

O Bradesco foi condenado a indenizar um cliente vítima do assalto conhecido como “saidinha de banco”, após sacar dinheiro em uma agência bancária da instituição, em Ipatinga, no interior de Minas Gerais. A instituição financeira terá que pagar R$ 15 mil por danos morais e R$ 9.510 por danos materiais. A decisão é da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que reformou sentença proferida pela 2ª Vara Cível da comarca daquele município.

Em julho de 2011, o motorista sacou, por volta das 15h40, a quantia de R$ 8 mil no Bradesco. No trajeto até o carro, estacionado perto da agência, foi abordado por um homem. O assaltante usava um revólver calibre 38 e pediu que o motorista lhe repassasse todo o dinheiro sacado. A vítima não reagiu e entregou o valor. Mesmo assim, o assaltante lhe deu várias coronhadas no rosto, amassou uma das portas do veículo e fugiu em uma moto, levando as chaves do carro.

ADVERTISEMENT

Na Justiça, o motorista pediu que o banco fosse condenado a indenizá-lo por danos materiais e morais. As imagens da câmera de segurança do banco mostram um indivíduo acompanhando atentamente o momento do saque e usando um celular em seguida. De acordo com o processo, o cliente afirma que banco falhou ao não proporcionar a privacidade da operação e ao permitir o uso de celular dentro da agência. O consumidor destacou que, além do prejuízo financeiro, correu risco de morrer durante o assalto.

Em sua defesa, o Bradesco alegou que não deveria ser processado já que o assalto ocorreu fora da agência. Segundo o banco, não havia prova da negligência da instituição bancária e a culpa pelo ocorrido era da vítima, que falhou no cuidado, ao sair da instituição com grande quantia de dinheiro.

Decisão parecida

Em dezembro do ano passado, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) também condenou o Bradesco a indenizar um cliente roubado logo após sacar R$ 42 mil. O caso aconteceu em uma agência de Belo Horizonte.

O empresário era representante de uma firma e tinha agendado o saque da quantia alta, que estava depositado na conta da empresa. Na ocasião, a vítima do golpe “saidinha de banco” precisou efetuar outro saque no valor de R$ 42 mil, pois precisava pagar o salário de seus funcionários.


Fonte: Extra